UE apoia proibição de amálgama em crianças e mulheres grávidas

A União Europeia (UE) tem provisoriamente acordado que os preenchimentos com amálgamas dentárias são proibidos para crianças com menos de quinze anos de idade e para mulheres grávidas e lactantes a partir de 1º de julho de 2018. No entanto, um regime geral de eliminação progressiva das obturações dentárias contendo mercúrio está fora da agenda para o momento. Em vez disso, é para ser decidido em 2020 se a utilização do material será abolida inteiramente por volta de 2030.

O acordo provisório foi alcançado na realização de uma reunião de cúpula entre as três instituições da UE – Parlamento Europeu, Comissão Europeia e o Conselho da União Europeia – em 6 e 7 de dezembro. A ação, que deve agora ser aprovada pelo Parlamento e pelo Conselho, é parte de uma iniciativa mais ampla para a implementação dos objetivos da Convenção de Minamata, que visa diminuir a utilização e libertação de mercúrio para o ambiente. A disposição também exige que cada membro comece a definir um plano nacional sobre a forma de como irá reduzir o uso de amálgama.

É estimado que o amálgama libere até 75 toneladas de metal pesado muito tóxico na UE anualmente. Apesar da Comissão Européia considerar a amálgama das obturações segura para os pacientes, especialmente quando encapsulada na boca, estudos têm mostrado que as amálgamas dentárias podem causar envenenamento por mercúrio em populações geneticamente suscetíveis. (Com informações de Dental Tribune)