Nota de condolências

A ABO Nacional presta condolências aos familiares, amigos e colegas de Maria Helena Antonino, que cursava Odontologia na Universidade Estadual da Paraíba. Seu sorriso e seu coração generoso são lembrados numa emocionante carta redigida pelo seu professor Gustavo Agripino, presidente da ABO-PB.

Leia, na íntegra:

Maria Helena, minha linda, eu queria falar tanto contigo e te contar tudo o que vivemos nesses dias. Ainda não sei como fazer pra falar contigo, tu aí e a gente aqui, mas de alguma forma acho que essas palavras podem chegar até você.

Quarta-feira passada te encontrei na cantina do campus e você, tirando onda de mim como sempre, me desafiou: “até parece que Gustavo não tem resposta pra tudo”. Fiquei rindo disso, me regozijando dessa intimidade informal que tenho contigo, achando lindo tua forma “ousada” de se dirigir a nós professores com tanta personalidade. Fiquei também vaidoso por receber essa brincadeira que, na verdade, tinha uma pitada de demonstração de respeito e admiração sua por mim. Mas nem tive tempo de pensar que você tava enganada, minha linda. Eu tenho lá resposta pra tudo?!

Na quinta-feira recebi um telefonema falando que vc tinha se machucado. Meio aturdido, me organizei pra ir te receber no Trauma. Foi tão difícil te receber daquele jeito, minha pequena! Mas vi também que as pequenas são bem guerreiras. Renata, outra baixinha arretada, tava lá comigo, forte que só ela, passando por cima de qualquer fraqueza pra amenizar a sensação de impotência que ia se apoderando da gente. Fez de tudo. Ficou contigo lá dentro e eu tive que sair pra não atrapalhar e pra encontrar com as pessoas que estavam lá fora, apreensivos por respostas.

Tava todo mundo lá, Heleninha. Teus colegas, tua família, teus professores, teus amigos de Serra Branca e de Princesa Isabel. Outros chegaram depois e alguns que não puderam vir ficaram contigo o tempo todo de longe, mas presentes em oração. Foi lindo de ver, tu ia se emocionar com tanto amor. Mais bonito que uma música cantada por Maria Bethânia e Ney Matogrosso juntos. O nosso campus ficou unido em uma só voz, clamando por sua recuperação. As redes sociais pararam nesses dias por você. E foram três longos dias.

Seus dois Joãos mereceram nossos cuidados. O João pai, de tanto amar, ora fraquejava ora se desesperava com medo de te perder, mas de tanto amor se apegava à força que vinha de Elan e reagia.

Elan é você todinha, nem sei se ela parece ser tua mãe ou tua filha, forte e braba além de pequenininha, de tanto amar também se dava o direito de fraquejar de vez em quando, mas se revestia de uma armadura e se levantava.
Teu outro João, o namorado, não saiu de perto por um minuto. Chegou assombrado, inseguro, mas permaneceu forte e se segurou sem fraquejar e sem perder a esperança.

Teus amigos ajudaram muito. Como você é amada, minha linda! Sabrina e Rayane se apoiaram uma na outra, Rafael, Matheus e Deryck deram uma ajuda danada com João e todo mundo se uniu a eles, a gente e à tua família em nome do amor a você. Aliás, tua família é linda e Elian é outra guerreira, não me admira vc ser assim.

Fomos a Serra Branca nos despedir do seu corpo. Todos estavam lá. Sua turma agora se chama Maria Helena Antonino Almeida. Você estava linda vestida com seu jaleco e o lugar tava cheio de bandeiras e flores como convém a uma pessoa importante. Não sei se tu ia gostar muito do lugar porque se chama Palhoça do Flamengo, mas a tua camisa do Vasco tava contigo também, a gente perdoa né? Prometemos voltar a Serra Branca e conhecer a famosa casa amarela.

Minha linda, como você espera que eu tenha respostas? Tu sabe como vocês alunos são dasafiadores né? Rafael me perguntou em um momento bem difícil: “professor, o senhor acredita que possa ter um milagre?”. Eu tive que olhar pra dentro de mim, caçando uma resposta pra ele, e percebi que de vez em quando eu imaginava que eu iria te contar tudo o que tava ocorrendo quando aquele aperreio passasse. Imaginava que você ia rir de algumas coisas e se emocionar com outras. Percebi que eu acreditava sim nesse milagre, e respondi pra ele que eu tinha essa esperança. Hoje eu acho que aconteceram vários milagres e eu tô aqui te contando tudo. Tá vendo que eu nem tava enganado?

Tu gosta de “música de velho”, como eu te dizia. Pois tem uma música bem antiga dos Beatles que diz assim: “There will be an answer, let it be”. Haverá uma resposta, Heleninha, só que a gente ainda não consegue enxergar ela. Mas deixa acontecer, vamos deixar o tempo agir, tudo há de ficar bem.

Fica com Deus.