Retrognatismo mandibular está associado a maiores chances de ser canhoto

Os genes que delineiam os traços faciais também influenciam se o indivíduo será destro ou canhoto e, ainda, qual a sua resistência à tuberculose.

Pesquisadores da Universidade de Washington (EUA) cruzaram dados de pesquisas realizadas entre as décadas de 60 e 70, com um total de 13.536 participantes. A partir dos resultados, concluíram que o retrognatismo mandibular estava ligado a chances 25% maiores de o paciente ser canhoto. Além disso, a condição prevalecia entre os americanos com ascendência europeia, em vez de africana.

Este perfil também está associado à maior vulnerabilidade à bactéria que causa a tuberculose. “Há dois mil anos, um médico grego foi o primeiro a identificar que o retrognatismo mandibular apontava para este risco. Ele estava certo”, conta o autor do estudo, Philippe Hujoel. “No entanto, a ligação entre os fenótipos faciais, o canhotismo e a tuberculose precisa ser melhor explorada.”

A pesquisa é denominada “Handedness and lower face variability: Findings in three national surveys” e foi publicado em 26 de abril, na revista Laterality: Asymmetries of Body, Brain and Cognition.

(Com informações de Dental Tribune)